O ENCONTRO

O medo bateu nas suas costas. Aquela mulher havia lhe tirado o fôlego. Foi morte certa. No primeiro instante apostou e não imaginou até onde aquilo tudo ia chegar. Sua vida estava por um fio agora, sabia que nenhum deus podia ajudá-lo. Depois daquele dia, uma silhueta de mulher invadira sua alma.

Em sua solidão, folhas amassadas de papel sobressaiam do cesto, invadiam a sala, todas elas denunciavam este momento de instabilidade e sofrimento, por mais que tentasse não conseguia escrever outra coisa, senão o nome daquela mulher.

Acreditava nas paixões fugidias como combustível para seus escritos, mas agora os versos o tinham abandonado. Cúmplices daquela história doíam como espinhos na carne. Neste momento estava completamente só e jogado no sofá da sala, suava e suas mãos tremiam.

Num ofício escreveu seu nome, jogou pela janela dentro de uma garrafa, esperou que alguém batesse à porta e lhe tirasse daquele transe.

Esperou e ninguém bateu. Na porta uma foto tamanho natural, ela sorria para ele.

Maldita hora daquele encontro. Hoje sobrevivia às horas, envolto naquela imagem que agora lhe roubava a vida.


Do livro: O OLHO DO RINOCERONTE

0 visualização

PERGUNTAS?

DESEJA UM ORÇAMENTO? QUEREMOS AJUDAR

  • Facebook
  • Instagram

Tel: (81) 98539-9015

Endereço: Rua Desembargador João Paes, 446 - Boa Viagem, Recife

CNPJ: 19.096.597/0001-48

© 2023 por Frederico Spencer.

Tel: (81) 98539-9015